Paróquia de Santo Antônio

Matrimônio

1417097749

DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA O CASAMENTO (fotocópia)

Observação importante


Contribuição:

Dúvidas e informações na secretaria paroquial: (41) 3622-1484

 


CELEBRAÇÃO DO MATRIMÔNIO SEM MISSA

RITOS INICIAIS

Comentarista: Sejam todos bem vindos a esta celebração matrimonial de (dizer os nomes dos noivos). Celebrar o amor dos noivos é experimentar a plenitude do bem e acreditar que o amor não é utopia distante, mas algo bem concreto na vida de casais que nós conhecemos. O amor não tem fronteiras, invade qualquer limite humano para se manifestar. É força que resiste a qualquer barreira, é luz que ilumina toda escuridão. Deus que é amor se manifesta no amor dos noivos e dos casais. Acolhamos com alegria, os familiares, os padrinhos, o noivo e a noiva.

– Entrada dos pais testemunhas (padrinhos e madrinhas);

– Entrada do noivo;

– Entrada da noiva;

 

Saudação:

Em nome do Pai, e do Filho e do Espírito Santo.

R/. Amém.

A graça e a paz de Deus, nosso Pai, e de Jesus Cristo, nosso Senhor, estejam convosco!

O povo responde:

Bendito seja Deus, que nos reuniu no amor de Cristo.

O ministro fará uma breve alocução aos noivos e aos presentes, predispondo-os à celebração do Matrimônio, com estas ou outras palavras:

N e N., a Igreja participa da vossa alegria e vos recebe de coração, assim como a vossos pais, parentes e amigos,neste dia em que, diante de Deus, nosso Pai, ireis firmar entre vós uma aliança para toda a vida. Que o Senhor vos ouça neste dia de tanta felicidade e vos mande o auxílio celeste, e assim vos conserve por muito tempo, e vos conceda muitas graças, segundo o vosso coração, e vos realize todas as vossas aspirações.

O ministro, de mãos estendidas, reza a oração que segue a seu critério:

LITURGIA DA PALAVRA

Comentarista: Deus, porém, que chamou os esposos ao Matrimônio, para o mesmo Matrimônio continua a chamar muitos outros. Aqueles que se casam em Cristo, em fidelidade à Palavra de Deus, devem celebrar frutuosamente, viver honestamente e testemunhar publicamente diante de todos o mistério da união de Cristo e da Igreja. Abramos nosso coração e vamos acolher o que Jesus tem a nos falar.

Realiza-se a Liturgia da Palavra segundo as rubricas. Poderá haver três leituras (escolhe-se uma leitura do Antigo Testamento ou do Novo Testamento, o Salmo e o Evangelho).

ANTIGO TESTAMENTO

1 – Gn 1,26-28.31ª – Deus os criou homem e mulher.

2 – Gn 2,18-24 – E eles serão uma só carne.

3 – Pr 31,10-13.19-20.30-31 – A mulher que teme ao Senhor, esta sim, merece louvor.

4 – Jr 31,31-32ª.33-34ª – Concluirei com a casa de Israel e a casa de Judá uma nova aliança.

5 – Os 2,21-26 – Eu te desposarei para sempre.

6 – Gn 24,48-51.58-67 – Isaac tanto amou Rebeca que foi consolado pela morte da mãe.

7 – Tb 7,6-14 – Que o Senhor do céu vos faça felizes, meu filho, e vos conceda misericórdia e paz.

8 – Tb 8,4b-8 – Que cheguemos, juntos, a uma idade avançada.

9 – Ct 2,8-10.14.16ª; 8,6-7ª – O amor é forte como a morte.

10 – Eclo 26,1-4.16-21 – Como o sol que se levanta nas alturas, assim é o encanto da boa esposa na casa bem-ordenada.

NOVO TESTAMENTO

1 – Rm 8,31b-35.37-39 – Quem nos separará do amor de Cristo?

2 – Rm 15,1b-3ª.5-7.13 – Acolhei-vos uns aos outros, como também Cristo vos acolheu.

3 – 1Cor 13,4-13 – A caridade crê tudo, espera tudo, desculpa tudo.

4 – Ef 5,2ª.21-33 – Este mistério é grande, e eu o interpreto em relação a Cristo e à Igreja.

5 – Hb 13,1-4ª.5-6b – O matrimônio seja honrado por todos.

6 – 1Jo 4,7-12 – Deus é amor.

7 – Rm 12,1-2.9-18 – Oferecei-vos em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus.

8 – Ef 4,1-6 – Há um só corpo e um só Espírito.

9 – Fl 2,1-5 – No mesmo sentimento.

10 – Fl 4,4-9 – O Deus da paz estará convosco.

11 – Cl 3,12-17 – Sobretudo, amai-vos uns aos outros, pois o amor é o vínculo da perfeição.

12 – 1Pd 3,1-9 – Sede todos unânimes, compassivos e fraternos.

13 – 1Jo 3,18-24 – Amemos com ações e de verdade.

14 – Ap 19,1.5-9ª – Felizes são os convidados para o banquete das núpcias do Cordeiro!

SALMOS RESPONSORIAIS

1 – Sl 32 (33), 12.18.20-21.22

2 – Sl 127 (128), 1-2.3.4-5ac e 6ª

3 – Sl 144 (145), 8-9.10 e 15.17-18

EVANGELHOS

1 – Mt 5,13-16 – Vós sois a luz do mundo.

2 – Mt 19,3-6 – O que Deus uniu, o homem não separe.

3 – Mt 22,35-40 – Esse é o maior e o primeiro mandamento. O segundo é semelhante a esse.

4 – Mc 10,6-9 – Já não são dois, mas uma só carne.

5 – Jo 2,1-11 – Este foi o início dos sinais de Jesus. Ele o realizou em Caná da Galiléia.

6 – Jo 15,12-16 – Este é o meu mandamento: Amai-vos uns aos outros.

7 – Mt 5,1-12ª – Alegrai-vos e exultai, porque será grande a vossa recompensa nos céus.

8 – Mt 7,21.24-29 – Construiu sua casa sobre a rocha.

9 – Jo 15,9-12 – Permanecei no meu amor.

10 – Jo 17,20-26 – Que assim eles cheguem à unidade perfeita.

Após a leitura do Evangelho, o ministro exponha, partindo do texto sagrado, o mistério do matrimônio cristão, a dignidade do amor conjugal, a graça do sacramento e os deveres do casal, levando sempre em conta a situação das pessoas.

 

RITO SACRAMENTAL DO MATRIMÔNIO

Comentarista: Para tudo há um tempo, mas quem ama faz a hora acontecer, cons­trói a vida e faz dela uma escola para o aprendizado cotidiano do amor. Agora, N. e N., diante de Deus e da comunidade, celebram o amor e o selam com a graça e o sinal da fé. Fiquemos em pé e acompanhemos.

Em seguida, estando todos em pé, e tendo se colocado as testemunhas em lugar adequado, o ministro se dirige aos noivos com estas ou outras palavras semelhantes:

Caros noivos, N. e N., vies­tes a esta igreja para que, na pre­sença do sacerdote e da comunidade cristã, a vossa decisão de contrair Matrimônio seja marcada por Cristo com um sinal sagrado. Cris­to abençoa com generosidade o vos­so amor conjugal. Já vos tendo con­sagrado pelo batismo, vai enriquecer e fortalecer-vos agora com o sacra­mento do matrimônio, para que sejais fiéis um ao outro por toda a vida e pos­sais assumir todos os deveres do ma­trimônio.

Diálogo antes do consentimento

O ministro interroga-os quanto à liberdade, à fidelidade e à aceitação e educação dos filhos.

O ministro:

N. e N., viestes aqui para unir-vos em matrimônio. Por isso, eu vos pergunto perante a Igreja: é de livre e espontânea vontade que o fazeis?

NOIVOS: Sim!

O ministro:

Abraçando o matrimônio, ides prometer amor e fidelidade um ao outro. É por toda a vida que o prome­teis?

NOIVOS: Sim!

O ministro:

Estais dispostos a receber com amor os filhos que Deus vos confiar, educando-os na lei de Cristo e da Igreja?

NOIVOS: Sim!

 

Consentimento

O ministro convida os noivos a manifestar o seu consentimento:

Para manifestar o vosso consentimento em selar a sagrada aliança do matrimônio, diante de Deus e de sua Igreja, aqui reunida, dai um ao outro a mão direita.

Os noivos unem as mãos.

NOIVO: Eu, N., te recebo, N., por minha esposa e te prometo ser fiel, amar-te e respeitar-te na alegria e na tristeza, na saúde e na doença, todos os dias da nossa vida.                                                   

NOIVA: Eu, N., te recebo, N., por meu esposo e te prometo ser fiel, amar­-te e respeitar-te na alegria e na tris­teza, na saúde e na doença, todos os dias da nossa vida.

 

Aceitação do consentimento

Em seguida, acolhendo o consentimento, o ministro declara:

Deus confirme este compromisso que manifestastes perante a Igreja e derrame sobre vós as suas bênçãos! Ninguém separe o que Deus uniu!

ou:

O Deus de Abraão, o Deus de Isaac, o Deus de Jacó, o Deus que abençoou os nossos primeiros pais no paraíso confirme e abençoe em Cristo este compromisso que mani­festastes perante a Igreja. Ninguém separe o que Deus uniu!

Neste momento o ministro motiva os presentes para o louvor a Deus pelos noivos que se receberam em Matrimônio.

 

Bênção e entrega das alianças

Comentarista: O amor desconhece os limites da expressão. É criativo por nature­za. Deixa o coração arder como fogo e festa. Por isso, cria símbolos que vão além da capacidade e interpre­tação das palavras. As alianças que agora serão abençoadas traduzem e expressam para N. e N. o compro­misso recíproco de fidelidade e aju­da mútua.

Quem preside diz a oração a seu critério, utilizando as fórmulas de bênção previstas no Ritual do Matrimônio. Após quem preside asperge e entrega as alianças aos esposos.

O esposo coloca a aliança no dedo anular da esposa, podendo dizer:

N., recebe esta aliança em sinal do meu amor e da minha fidelidade. Em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo.

 A esposa coloca a aliança no dedo anular do esposo, podendo dizer:

N., recebe esta aliança em sinal do meu amor e da minha fidelidade. Em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo.

Toda comunidade pode cantar um hino ou canto de louvor.

 

Prece dos fiéis

Seguem-se as Preces dos fiéis, que podem ser preparadas pelos noivos ou seguindo as fórmulas propostas no Ritual, porém que cada invocação esteja em sintonia com a bênção nupcial, sem, contudo repetir as mesmas intenções;

Senhor, atendei a nossa prece!

  1. Pela Igreja de Deus, que ela se torne cada vez mais transparente como mistério de amor e comunhão, servindo assim de sinal e modelo para todos os lares, rezemos ao Senhor…
  2. Agradecemos a Deus e pedimos a Ele que ajude a seguir o exemplo de N. e N., a fim de que, como eles, possamos dar um verdadeiro testemunho de fidelidade e de amor, rezemos ao Senhor…
  3. Por todos os familiares e amigos deste casal que hoje estão participando desta alegria; que sintam um aumento de paz, felicidade, e a certeza de que a verdadeira amizade é fator de crescimento, rezemos ao Senhor…
  4. Por aqueles que estiveram na vida e na história deste casal e partiram antes de nós. Para que sejam saciados com o dom da vida eterna, rezemos ao Senhor…
  5. Senhor, que todos os casais possam viver no amor. Que todas as famílias tenham paz e harmonia, rezemos ao Senhor…

 

Bênção nupcial

Os esposos se ajoelham.

Quem preside, de mãos postas, diz:

Caros fiéis, roguemos a Deus que derrame suas bênçãos sobre N. e N. Que ele ajude bondosamente com seu auxílio

aos que enriqueceu com o sacramento do Matrimônio.

Todos rezam um instante em silêncio. Em seguida, o ministro, voltado para o casal, profere sobre eles a oração da bênção nupcial.

 

Sagrada Comunhão

O ministro traz a âmbula, coloca-a sobre o altar e faz a genuflexão.

 Introduz, então, a oração do Pai-nosso com estas palavras ou outras semelhantes:

Rezemos, com amor e confiança, a oração que o Senhor nos ensinou.

Terminada a oração do Pai-nosso, quem preside faz a genuflexão, toma a hóstia sobre a âmbula, eleva-a um pouco e diz:

Felizes os convidados para a Ceia do Senhor. Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo.

E os que vão comungar:

Senhor, eu não sou digno (a) de que entreis em minha morada, mas dizei uma palavra e serei salvo (a).

Durante a Comunhão pode-se entoar um canto apropriado, se for oportuno.

Distribuída a Comunhão aos noivos, pode-se guardar silêncio por algum tempo. Depois o ministro reza a oração pós-comunhão:

 

CONCLUSÃO DA CELEBRAÇÃO

O rito se conclui com a bênção dos esposos e do povo. Terminada a celebração, as testemunhas e o ministro assinam a ata do casamento, na sacristia ou diante do povo, mas nunca sobre o altar.

 

X