Paróquia de Santo Antônio

Celebrações

Paróquia Santo Antônio da Lapa

Diocese de São José dos Pinhais

– Pastoral Litúrgica –

 Ciclo Pascal

Domingo de Ramos e da Paixão do Senhor – B

27 e 28 de MARÇO de 2021

 

Preparando a celebração da Missa:

Sugestão de cantos Cântico Inicial – Hosana ao Filho de Davi…

Aclamação ao Evangelho (dialogado) – Salve, ó Cristo Obediente…

Oferendas – Ó morte, estás vencida… / Recebe Deus amigo…

Comunhão – Eu vim para que todos tenham vida…

Final – Hino CF 2021.

Intenções de missa e comentário inicial As intenções da missa deverão ser lidas em tempo suficiente, sendo 15, 10 ou 05 minutos antes, dependendo da quantidade de nomes a serem ditos.

Não haverá canto antes da celebração.

Que o comentário inicial comece na hora exata do início da celebração.

Ritos Iniciais Cântico Inicial, Saudação, Bênção dos ramos, Aspersão dos ramos, Proclamação do Evangelho de Mc 11,1-10. Concluídos estes momentos, a Missa prossegue com a Oração do Dia e os demais momentos como de costume.
Ato Penitencial Omite-se.
Hino de louvor Omite-se.
Liturgia da Palavra Dizer o comentário antes das leituras, conforme abaixo.
Anúncio do Evangelho da Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo, segundo Mc 15,1-39 – Forma breve.  

Narrador 1 e 2: Comentarista

Leitor 1: Voz Masculina.

Jesus: Presidente.

Todos: responder as partes em negrito.

Preces Conforme orientação abaixo.
Oração Eucarística Oração Eucarística 3 – respostas recitadas.

Santo – cantado ou recitado.

 

Rito da Comunhão Cordeiro de Deus – cantado ou recitado.

Atenção: o primeiro MAC a receber a Sagrada Comunhão Eucarística, com a âmbula em mãos, serve-a aos músicos e cantores. Perguntar aos músicos e cantores antes da missa quem deles irá receber a Sagrada Comunhão Eucarística.

 

COMENTÁRIO INICIAL 

Comentarista: Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo. Para sempre seja louvado.

Depois de realizarmos, em comunidade e em nossas famílias, a caminhada quaresmal, adentramos agora no mistério da entrega de Cristo por nosso amor e para nossa salvação. Jesus entrou de modo triunfante em Jerusalém! Da mesma forma, deixemos que Ele entre em nossos corações e celebremos com todo o nosso ardor, com piedade e devoção os dias que se aproximam de sua redenção. Com Ele caminhamos destemidamente para o Calvário, pois temos a certeza da ressurreição. Iniciemos a Santa Missa, cantando… 

Cântico Inicial: Hosana ao Filho de Davi…

Não se realiza a procissão pelo corredor central, os Coroinhas, MAC e o Presidente da Celebração, caminham até o Presbitério pela entrada simples.

 

Chegando ao altar, o presidente o saúda e dirige-se à cadeira. Inicia-se com a saudação como de costume.

 

SAUDAÇÃO

Missal, p. 220 e 221 

Presidente: Em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo.

Todos: Amém.

Presidente: A graça de nosso Senhor Jesus Cristo, o amor do Pai e a comunhão do Espírito Santo estejam convosco. 

Todos: Bendito seja Deus que nos reuniu no amor de Cristo.

 

Presidente: Meus irmãos e minhas irmãs: durante as cinco semanas da Quaresma preparamos os nossos corações pela oração, pela penitência e pela caridade. Hoje aqui nos reunimos e vamos iniciar, com toda a Igreja, a celebração da Páscoa de nosso Senhor. Para realizar o mistério de sua morte e ressurreição, Cristo entrou em Jerusalém, sua cidade. Celebrando com fé e piedade a memória desta entrada, sigamos os passos de nosso Salvador para que, associados pela graça à sua cruz, participemos também de sua ressurreição e de sua vida.

 

Presidente: Oremos.

Deus eterno e todo-poderoso, abençoai estes ramos, para que, seguido com alegria o Cristo, nosso Rei, cheguemos por ele à eterna Jerusalém. Por Cristo, nosso Senhor.

 

Todos: Amém.

 

Sem nada dizer, o presidente e os MAC, aspergem os ramos com água benta. Os músicos podem realizar um fundo musical.

 

Terminando a aspersão, o presidente proclama conforme o costume, o Evangelho da entrada de Jesus em Jerusalém: Mc 11,1-10 (Cf. Missal, p. 222, Ano B).

 

  1. O Senhor esteja convosco.
  2. Ele está no meio de nós.
  3. Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Marcos.
  4. Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 1quando se aproximaram de Jerusalém, na altura de Betfagé e de Betânia, junto ao monte das Oliveiras, Jesus enviou dois discípulos, 2dizendo: “Ide até o povoado que está em frente e, logo que ali entrardes, encontrareis amarrado um jumentinho que nunca foi montado. Desamarrai-o e trazei-o aqui! 3Se alguém disser: ‘Por que fazeis isso?’, dizei: ‘O Senhor precisa dele, mas logo o mandará de volta”. 4Eles foram e encontraram um jumentinho amarrado junto de uma porta, do lado de fora, na rua, e o desamarraram. 5Alguns dos que estavam ali disseram: “O que estais fazendo, desamarrando esse jumentinho?” 6Os discípulos responderam como Jesus havia dito, e eles permitiram. 7Levaram então o jumentinho a Jesus, colocaram sobre ele os seus mantos, e Jesus montou. 8Muitos estenderam seus mantos pelo caminho, outros espalharam ramos que haviam apanhado nos campos. 9Os que iam à frente e os que vinham atrás gritavam: “Hosana! Bendito o que vem em nome do Senhor! 10Bendito seja o reino que vem, o reino de nosso pai Davi! Hosana no mais alto dos céus!” Palavra da Salvação. Glória a vós, Senhor.

 

Oração do dia – Missal, n. 21, p. 230.

 

LITURGIA DA PALAVRA 

Comentarista: Ouçamos atentamente a Palavra de Deus, O Messias esperado, o Filho de Deus, vem a nós de forma simples e humilde, servo sofredor e obediente até a morte e morte de cruz. 

1ª Leitura: Is 50,4-7

Salmo Reponsorial: Sl 21

2ª Leitura: Fl 2,6-11

Aclamação ao Evangelho: Salve ó Cristo obediente…

 

ANÚNCIO DO EVANGELHO

Mc 15,1-39 – Forma Breve

Narrador: Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo Marcos: 1Logo pela manhã, os sumos sacerdotes, com os anciãos, os mestres da Lei e todo o Sinédrio, reuniram-se e tomaram uma decisão. Levaram Jesus amarrado e o entregaram a Pilatos. 2E Pilatos o interrogou:

 

Leitor: “Tu és o rei dos judeus?”

 

Narrador: Jesus respondeu:

 

Padre: “Tu o dizes”.

 

Narrador: 3E os sumos sacerdotes faziam muitas acusações contra Jesus. 4Pilatos o interrogou novamente:

 

Leitor: “Nada tens a responder? Vê de quanta coisa te acusam!”

 

Narrador: 5Mas Jesus não respondeu mais nada, de modo que Pilatos ficou admirado. 6Por ocasião da Páscoa, Pilatos soltava o prisioneiro que eles pedissem. 7Havia então um preso, chamado Barrabás, entre os bandidos, que, numa revolta, tinha cometido um assassinato. 8A multidão subiu a Pilatos e começou a pedir que ele fizesse como era costume. 9Pilatos perguntou:

 

Leitor: “Vós quereis que eu solte o rei dos judeus?”

 

Narrador: 10Ele bem sabia que os sumos sacerdotes haviam entregado Jesus por inveja. 11Porém, os sumos sacerdotes instigaram a multidão para que Pilatos lhes soltasse Barrabás. 12Pilatos perguntou de novo:

 

Leitor: “Que quereis então que eu faça com o rei dos Judeus?”

 

Narrador: 13Mas eles tornaram a gritar:

 

Todos: “Crucifica-o!”

 

Narrador: 14Pilatos perguntou:

 

Leitor: “Mas, que mal ele fez?”

 

Narrador: Eles, porém, gritaram com mais força:

 

Todos: “Crucifica-o!”

 

Narrador: 15Pilatos, querendo satisfazer a multidão, soltou Barrabás, mandou flagelar Jesus e o entregou para ser crucificado. 16Então os soldados o levaram para entro do palácio, isto é, o pretório, e convocaram toda a tropa. 17Vestiram Jesus com um manto vermelho, teceram uma coroa de espinhos e a puseram em sua cabeça. 18E começaram a saudá-lo:

 

Todos: “Salve, rei dos judeus!”

 

Narrador: 19Batiam-lhe na cabeça com uma vara. Cuspiam nele e, dobrando os joelhos, prostravam-se diante dele. 20Depois de zombarem de Jesus, tiraram-lhe o manto vermelho, vestiram-no de novo com suas próprias roupas e o levaram para fora, a fim de crucificá-lo. 21Os soldados obrigaram um certo Simão de Cirene, pai de Alexandre de Rufo, que voltava do campo, a carregar a cruz. 22Levaram Jesus para o lugar chamado Gólgota, que quer dizer “Calvário”. 23Deram-lhe vinho misturado com mirra, mas ele não o tomou. 24Então o crucificaram e repartiram as suas roupas, tirando a sorte, para ver que parte caberia a cada um. 25Eram nove horas da manhã quando o crucificaram. 26E ali estava uma inscrição com o motivo de sua condenação: “O Rei dos Judeus”. 27Com Jesus foram crucificados dois ladrões, um à direita e outro à esquerda. (28) 29 Os que por ali passavam o insultavam, balançando a cabeça e dizendo:

 

Todos: “Ah! Tu que destróis o Templo e o reconstróis em três dias, 30salva-te a ti mesmo, descendo da cruz!”

 

Narrador: 31Do mesmo modo, os sumos sacerdotes, com os mestres da Lei, zombavam entre si, dizendo:

 

Todos: “A outros salvou, a si mesmo não pode salvar! 32O Messias, o rei de Israel… que desça agora da cruz, para que vejamos e acreditemos!”

 

Narrador: Os que foram crucificados com ele também o insultavam. 33Quando chegou o meio-dia, houve escuridão sobre toda a terra até às três horas da tarde. 34Pelas três da tarde, Jesus gritou com voz forte:

 

Padre: “Eloi, Eloi, lamá sabactâni?”

 

Narrador: Que quer dizer:

 

Padre: “Meu Deus, meu Deus, porque me abandonaste?”

 

Narrador: 35Alguns dos que estavam ali perto, ouvindo-o, disseram:

 

Todos: “Vejam, ele está chamando Elias!”

 

Narrador: 36Alguém correu e embebeu uma esponja em vinagre, colocou-a na ponta de uma vara e lhe deu de beber, dizendo:

 

Todos: “Deixai! Vamos ver se Elias vem tirá-lo da cruz”.

 

Narrador: 37Então Jesus deu um forte grito e expirou.

 

(Todos se ajoelham e se mantém em silêncio um instante e quando o padre se levantar o narrador prossegue)

Narrador: 38Nesse momento a cortina do santuário rasgou-se de alto a baixo, em duas partes. 39Quando o oficial do exército, que estava bem em frente dele, viu como Jesus havia expirado, disse:

 

Todos: “Na verdade, este homem era Filho de Deus!”

 

Narrador: Palavra da Salvação.

 

Todos: Glória a vós, Senhor.

 

Segue-se a Homilia e após a Profissão de fé.

 

PRECES DA COMUNIDADE

Dizer somente às preces do subsídio Deus Conosco. 

LITURGIA EUCARÍSTICA

 Canto da Apresentação das Oferendas

Oração sobre as oferendas – Missal, n. 24, p. 230.

Prefácio – A Paixão do Senhor, n 25, p. 231.

Oração Eucarística 3 – respostas recitadas.

Santo – cantado ou recitado.

 

RITO DA COMUNHÃO

 Oração do “Pai-Nosso”

Fração do Pão (Cordeiro de Deus) – cantado ou recitado.

 

RITO DA COMUNHÃO

– Após a resposta: Senhor eu não sou digno (a) de que entreis em minha morada… e antes do início da distribuição da comunhão o comentarista diz:

 

Comentarista: Orientações para a participação na Sagrada Comunhão eucarística:

– os ministros levarão a Eucaristia até onde você está.

– para recebê-la permaneça em pé, retire a máscara, estenda a mão e comungue na frente do ministro.

Do Evangelho segundo Mateus (26,42): Ó Pai, se este cálice não pode passar sem que eu o beba, faça-se a tua vontade!

 

Os músicos recebem a comunhão e em seguida, inicia-se o canto.

 

Comunhão

Oração depois da comunhão – Missal, n. 27, p. 231.

 

 

AVISOS

 

  1. Missas na Matriz de Santo Antônio da Lapa, com a presença dos fieis: Terça-feira, dia 29 de março, às 19h.

 

  1. Atendimento de confissões na Igreja Matriz de Santo Antônio da Lapa:

– Terça-feira, dia 29 de março a partir das 18h.

– Quarta-feira, dia 30 de março das 08h às 12h e das às 14h às 19h.

 

  1. Missa da Ceia do Senhor no Santuário de São Benedito: Quinta-feira santa, às 18 horas.

 

Os demais horários serão comunicados nos próximos dias pela Rádio Legendária.

 

DEVOCIONAIS

 Comentarista: Confiantes na materna intercessão da Senhora Aparecida, rezemos:

 

Todos: Ave-Maria cheia de graça…

 

Comentarista: Santa Maria, Mãe de Deus!

Todos: Rogai por nós!

 

Comentarista: São José!

Todos: Rogai por nós!

 

Comentarista: São Benedito!

Todos: Rogai por nós!

 

Conclui-se com a bênção final e envio.

 

Clique aqui e confira o subsídio na versão documento Word

X